quarta-feira, janeiro 04, 2006

Irmandade de Nossa Senhora dos Homens Pretos


Fundada em 1711, a Irmandade de Nossa Senhora dos Homens Pretos desempenhou um papel decisivo na comunidade negra de São Paulo, com praticas religiosas e ações conjuntas de defesa dos afro-brasileiros no tempo da Escravidão. A entidade foi fundada para diferenciar de semelhante, mas destinada apenas aos homens brancos, mostrando que apesar de não oficial havia um sistema de segregação racial no país.
Mas segundo o historiador Raul Joviano do Amaral, a existência da Irmandade foi sempre intranqüila devida o medo dos senhores de escravo, do alto grau de organização dos integrantes, pois chegaram inclusive a possuir casas e terras. Elas eram destinadas às famílias que assim que adquiriam a liberdade, não tinham onde morar.
Nestes locais se formaram vilas, onde elas prosperaram com o estabelecimento de comércios como quitandas, lojas de doces caseiros e vendiam excedentes da produção agrícola. A possibilidade de o exemplo tornar-se regra assustou os defensores do sistema escravistas. Já tinha que conviver no século XVIII, com o aumento dos quilombos e esta nova formação de articulação política causou pesadelos e logo se articularam para desmontar a estrutura.
A pressão política foi tão para desmobilizar a Irmandade, que na desculpa de obras na área urbana da cidade, foram desapropriadas as casas, e entre os anos de 1871 a 1872, foi executada uma ordem judicial desalojando as famílias negras, nas propriedades entre as Ruas São Bento e Rosário, a titulo de “utilidade pública”.
Após esta vitória, os opositores da Irmandade de Nossa Senhora dos Homens Pretos, voltaram suas atenções para a Igreja, construída em 1725. Ela foi erguida numa ação comunitária, envolvendo negros de toda cidade. Houve resistência contra a sua destruição até 1903, quando ela foi desapropriada, mas três anos depois foi inaugurado novo templo, onde está edificado até hoje, no Largo Paissandu.
Também existiam no período as Irmandades: Nossa Senhora da Lampadosa – 1748, Nossa Senhora do Rosário e São Benedito – 1779, todas na cidade do Rio de Janeiro; Nossa Senhora da Boa Hora – 1787, edificada em Olinda, estado do Pernambuco e Irmandade Nossa Senhora dos Homens Pretos, talvez a mais antiga, criada em Santos, litoral paulista, em 1652.
Dia 2 de janeiro, lembramos mais 295 anos de fundação, e é importante recordar esta História, para demonstrar mais uma vez, que não suportamos a escravidão, apenas com lamentos e canções. Nós unimos e lutamos. Entretanto, é estranho entender, porque perdemos esse grau de consciência política, a ponto de em 2005, fazermos duas marchas contra o racismo, que no fim, não chegaram ao lugar algum.

Um comentário:

Mara Lane disse...

Marco Antonio,
toda vez que passo no teu blog tenho vontade de escrever só pra dizer "Cara, todo o Brasil precisava passar por aqui!"
Um abraço e muito obrigada, pelo tanto de informações e opiniões que disponibiliza.