sábado, abril 25, 2009

Força Tarefa e Lei e o Crime






seriados policiais brasileiros viram moda, com roteiros razoáveis a produções pecam por retratar negros em papeis secundários e cheios de estereótipos negativos



Até que demorou muito para que os seriados policiais, em moda nos Estados Unidos, chegassem a televisão brasileira. O sucesso do filme Tropa de Elite já dava sinais de que isto aconteceria.
Existiram experiências na Rede Globo, Plantão de Polícia, década de 80, que retratava a rotina de repórter policial, interpretado por Hugo Cavana; e Justiceira, que tinha Malu Mader como protagonista. Talvez foi daí que saiu a mal elaborada nova série Força Tarefa, estrelada por Murilo Benício, numa interpretação pra lá de preguiçosa. Salva a atuação de Milton Gonçalves, convincente como chefe de uma espécie de equipe da Corregedoria.
As cenas de ação chegam parecer até amadoras de tão mal elaboradas e irreais. No episódio piloto, uma policial aparece numa esteira rolante para salvar o dia. Nem vai ser preciso o Casseta e Planeta parodiar.
Talvez seria o caso de recorrer ao seriado Bandidos da Falange, também da década de 80, famosa pela repercussão e ser visionária, ao apontar o que aconteceria no mundo real com ascensão do Comando Vermelho no RJ e do PCC em SP, organizações gestadas dentro dos ambientes carcerários, fielmente retratado na ficção global.
Desde a Turma do Gueto, seriado idealizado pelo pagodeiro Netinho de Paula, a Rede Record tem mostrado competência nos roteiros policialescos. Inspirada pelo sucesso da novela Vidas Opostas a emissora lança em 2009, Lei e o Crime, um dos líderes de audiência do canal. Exceto a falta de recursos, a roteiro é bom.
Mas Globo e Record falham no mesmo ponto: atores negros em papeis secundários ou de bandidos.

Quem acerta em tudo é a série 9mm, minissérie exibida na Fox, canal da tv paga. O delegado é interpretado pelo ator negro Luciano Quirino. Só força a barra ao colocar um membro da Polícia Civil com cabelo no estilo afro. Quem conhece a instituição sabe o rigor preconceituoso com o visual imposto pela Secretaria de Segurança.
Em somente quatro episódios, a série bate as outras produções facilmente. Tanto é que ganhou 2º temporada, com muito mais episódios. Uma pena não estar na TV aberta.

2 comentários:

Observatório da Cidadania disse...

Plantão de Polícia era o nome da série na qual Hugo Carvana interpretava o papel do repórter-policial Valdomiro Pena.

Anônimo disse...

vc é marxista?