quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Cafundó.


Garimpando entre Dvds achei o filme Cafundó, estrelado pelo sempre eficiente Lázaro Ramos, dirigido pelo Paulo Betti, que fez da história um projeto pessoal. Vale a pena por vários aspectos. Primeiro porque ele narra a biografia de João de Camargo, líder negro religioso, que viveu na primeira metade no século XX, em Sorocaba.
Uma coisa que precisa urgente é uma revisão é o papel da comunidade na Igreja Católica. Através das irmandades negras e de pessoas como João de Camargo, teve uma caracterização forte e bem cultural.
João era escravo, depois se tornou tropeiro, e após um casamento frustrado, converte-se em religioso. Há inclusive o conflito entre religiões de matriz africana e o catolicismo, representado na figura de Flávio Bauraqui, que leva para as telas um Exu, pra lá de perfeito. Bom para aqueles que ainda pensam que o orixá é sinônimo de demônio. Ledo engano.
O filme tem defeitos de roteiro e montagem, mas nada que comprometa o produto final.
Vejam e tirem suas próprias conclusões.
Pra mim ele foi um Padre Cícero negro, do interior paulista. Mas sem o viés político que tinha o cearense.

2 comentários:

Elionora disse...

Também adorei esse filme. Ele contém informações preciosas e pouco divulgadas acerca deste personagem de tamanha importância para o povo negro.
Fiquei maravilhada de poder ver a longa entrevista com o prof.Florestan Fernandes, estudioso de Africanidades afro-bras., já velhinho, porém extremamente lúcido. Está nos "extras" do DVD.

Valentina disse...

de Italia, Valentina dice: que o filme è muito bom, pasou em Milão em 2005. Eu trabalho pela productora Laz Audiovisual. Tamben eu tenho o site sobre o cinema da AmericaLatina http://www.cinemagora.mrw.it
Muito obrigada pela atenção.