sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Franz Fannon



A vida de Frank Fannon, médico e pensador anticolonial foi curta, mas que rendeu ao mundo uma obra fantástica Pele Negra, Mascara Branca, escrito em 1952. Ele nasceu na ilha de Martinica, em 1925, filho de um casal de classe média franceses. Sua vida mudou, quando aos 18 anos se ofereceu para lutar no Exercito de Resistência a Ocupação Nazista na Franca. Logo após a Segunda Guerra Mundial, passou a cursa medicina e se especializou em psiquiatria na Faculdade de Lyon.
Foi neste período, que começou escrever artigos sobre os problemas políticos na Franca, colônias e no mundo. Casou-se com uma francesa, Josephine Duble. E em 1952, escreveu ainda em solo francês, o seu livro: Pele Negra, Mascaras Brancas, que analisa o racismo e os efeitos da colonização, lançado em Lyon.
O livro é fruto da consciência negra do Fannon, que analisa do mundo dos brancos sob a ótica de um intelectual negro e textualiza psicologicamente a difícil relação entre colonizador e colonizado.
Em 1953, Frank assume o departamento de psiquiatria do Hospital de Blida-Joinville, em Argélia, então colônia francesa. Lá tem contato com pessoas do movimento de libertação do país, torturadas pelo exercito francês. Três anos depois, renuncia se cargo para se dedicar ap Movimento Argelino de Independência. Após a libertação do país, do jugo francês, ele torna-se embaixador do governo provisória da Argélia, em Ghana.
Infelizmente em Ghana, Fannon descobre que tem leucemia, mas recusa o conselho de amigos para descansar. Terminou texto analisa dos efeitos do colonialismo e morre no dia 6 de dezembro em Bethesda, Maryland – Estados Unidos, no ano de 1961. Foi enterrado com honras pelo Exercito Nacional de Libertação. ltural, 1995.

Texto do Preto Cosme sobre Franz Fannon

Nascido numa família antilhesa remediada, Fannon fora ferido em combate em França, já no final da II Grande Guerra. Ironia da sorte, o cabo Fannon receberia a cruz de guerra das mãos do coronel Salan, futuro golpista branco em Argel. Uma bolsa de estudo permitira-lhe entretanto inscrever-se, em 1947, na faculdade de medicina de Lyon, acabando por vir a trabalhar no hospital psiquiátrico de Blida. Em 1952, ano em que casa com uma francesa metropolitana surge na editora Seuil o seu primeiro livro Peau noire, masques blancs. Denuncia logo aí a dominação branca, tomando o partido dos rebeldes argelinos.
A insurreição que estes haviam iniciado a 1 de Novembro de 1954 transformar-se-ia na longa guerra da Argélia; Fannon viu aí uma guerra colonialista-tipo, demitindo-se em 1956 do seu lugar de médico-chefe em Blida e juntando-se em Tunis aos dirigentes da FLN. Colabora então em dois jornais da Frente, Résistance Algérienne e depois El Moudjahid, aderindo à FLN na primavera de 57. A trabalhar no ministério da informação do governo provisório da república argelina, seria delegado em 1958 ao Congresso Pan-africano de Accra.
Na capital de Gana conhece então Kwame Nkrumah, líder ganês e panafricanista da primeira linha, Félix Moumié, revolucionário camaronês que viria a ser assassinado pelos serviços secretos franceses, o sindicalista queniano Tom M'Boya, o angolano Holden Roberto. Deste banho de panafricanismo sairia um ensaio-bomba, L'An V de Ia Révolutíón Algérienne, obra que viria a ser rapidamente proibida em França. Fannon torna-se então uma figura de proa da jovem guarda daquela que viria a ser a extrema esquerda francesa; militantes dissidentes das Juventudes Comunistas ou cristãos de esquerda admiravam o homem de ação, o militante terceiro-mundista, o negro insubmisso que combatia a sua própria pátria.

No II Congresso dos Escritores e Artistas Negros que teve lugar em Roma em 1959, Fannon desenvolveu a idéia de uma relação dialética entre cultura nacional e luta de libertação Passa a falar alto e forte nas conferências fundamentais do terceiro-mundismo afro-asiático, de Accra a Addis-Abeba. Atingido por uma leucemia, sabia, já nessa altura, que tinha pouco tempo de vida. Les Damnés de la Terre, livro publicado em 1961, algumas semanas antes da sua morte aos 36 anos, constituirá o seu testamento. O livro exalta o terceiro-mundismo com o mesmo lirismo de Aimé Césaire, cujo Cahier d'un retour au pays natal fora saudado por André Breton, Léopold Sedar Senghor e Albert Memmi. O panfleto teve a caução de Sartre e da revista Temps modernes: "Também nós, europeus, somos dessacralizados: purifica-se aqui, através de uma operação dolorosa, o colono que existe em cada um de nós", escreveria Sartre. Acrescentando: "A arma de um combatente é a sua humanidade. Num primeiro tempo da revolta, é preciso usar a violência: abater um europeu é matar dois coelhos de uma cajadada, suprimir ao mesmo tempo um opressor e um oprimido, sobrando daí um homem morto e um homem livre". O jornalista Jean Daniel, chocado, reagiu no Espírito contra essa sacralização do colonizado e um terrorismo cego para o qual não havia vítimas civis inocentes, uma vez que o último culpado da barbárie não era aquele que fazia verter o sangue, mas sim o colonizador, o europeu, responsável pela engrenagem da violência.

Com uma linguagem vibrante, Fannon fazia a apologia da violência após haver descrito a despersonalização e a humilhação do colonizado, tratado como sub-homem, traumatizado, levado ao suicídio ou empurrado para combates fratricidas. A passagem à violência contra uma ordem e uma dominação todo-poderosa permitiria romper com o seu complexo de inferioridade. Emancipado, o colonizado reencontraria a sua identidade e, através dela, a sua dignidade. Melhor ainda, a violência revolucionária transformaria os indivíduos e permitira estabelecer entre eles novas e melhores relações de fraternidade: "quando elas próprias participam na violência da libertação nacional, as massas não mais permitirão que alguém se assuma como 'libertador'". Franz atribuiria ainda uma grande importância revolucionária aos desclassificados, aqueles sectores sociais que o colonialismo e o capitalismo haviam marginalizado.

Numa época de grandes combates anticolonialistas e do despertar no ocidente dos movimentos anti-racistas, as suas concepções não poderiam deixar de ter um lugar enorme na definição do imaginário combatente dos movimentos de libertação, das lutas pelos direitos cívicos dos negros e dos sectores mais extremistas e empenhadamente internacionalistas da esquerda.

5 comentários:

Movimento Negro Unificado - MNU disse...

Marco Antonio,

Parabéns pelo blog e as matérias.
Gostaria de saber se você tem o livro de Fanon intitulado Escucha Blanco. Gostaria de adquirí-lo, caso saiba entre em contato comigo: adomair_o_ogunbiyi@yahoo.com.br

Grato,

Bi Olorun ba fe!

Adomair O. Ogunbiyi

Anônimo disse...

CARO MARCO,

Gostei das informações sobre Frantz Fanon que encontrei em seu blog, mas me chamou a atenção o fato de o nome dele estar grafado de maneira errada.
No título da página o prenome aparece como Franz, enquanto no texto de Preto Cosme ele é chamado de"Frank", quando o correto é Frantz. E o sobrenome é Fanon com um ene só: Frantz Fanon. Quanto ao livro "Pele Negra Máscaras Brancas", lançado em espanhol com o título de "Escucha Blanco!",tenho a informação de que está para ser relançado em português pela editora paulista Anna Blume. Digo relançado por que existe uma versão da editora Fator, por sinal uma boa tradução, mas esgotadíssima. Vamos torcer pelo relançamento.

Flavio Carrança

Eugênio disse...

Vc é um craque, seu arquivo é uma grande over view da cultura negra nos seus mais diversos aspectos, vou recomendar por onde eu passar, críticas muito inteligentes e embasadas, Axé!

Anônimo disse...

blog muito bom.
o 'pele negra..' do fanon é simplesmente leitura obrigatória. ainda preciso ler o 'condenados da terra'.
parabéns, vou visitá-lo mais vezes.
axé, marcelo, dsalete.art.br.

Ana Cristina disse...

O livro "Pele negra, máscaras brancas", foi relançado pela Editora da UFba(EDUFBA), R$ 25,00. O endereço é:
http://www.edufba.ufba.br
Abraços.